Qual seria técnica mais apropriada no meu caso?

A primeira pergunta que eu ouço é: “Qual seria técnica mais apropriada no meu caso?”. Depende.

Pra começo de conversa, é preciso entender qual a utilidade da astrologia tradicional para quem consulta. Não gosto da palavra “utilidade” porque astrologia não se usa como uma máquina ou ferramenta mecânica. Como arte divinatória de longuíssima tradição, a descrição dos eventos terrestres passados, presentes e futuros pelo panorama celeste tem como objetivo delimitar perspectivas e estimular virtudes.  Aí está o objetivo do que faço aqui em Astroecliptica.

Delimitar perspectivas significa ouvir e meditar sobre as tendências futuras que lhe são reveladas. Por exemplo, se este é um ano de avanço profissional ainda que a vida afetiva não mude muito, você deve agir conscientemente. Assim, não adianta andar tristonho ou se desesperar porque não arranja namoro firme. Mais vale sair com os amigos para cervejinhas divertidas ou pegar sessões de cinema. Ou seja, temos a chance de nos preparar (ao menos um pouco) para os eventos futuros.

Em suma, as perspectivas dão o tom de onde devemos aplicar as virtudes.

As virtudes são externas à Astrologia em si, mas indissociáveis à ela posto que são parte da tradição espiritual do ocidente. Parece papo do tempo da vovó? Fique sabendo que coisas como prudência, justiça, fortaleza e temperança são a porta de entrada da real felicidade. Os budistas falam a todo instante em adquirir postura mental para lidar com os altos e baixos da vida. Aristóteles e Santo Ambrósio também falavam. Esta segunda parte não vem da consulta em si e exige seu discernimento. Aqui é com você. Astrologia não “traz a pessoa amada em 3 dias” mas estimula que você lide com o fato de que ela não volte.

Somente com isso em mente é que se pode pensar em técnicas.

Na consulta natal você fica se conhecendo melhor e ganha um panorama geral, como alguém que olha para uma trajetória de vida inteira após a morte do individuo. Uma consulta natal não se presta a descrever detalhes curiosos sobre você. Já falamos sobre isso inclusive.

Ela serve para informar quais áreas da vida tendem a ser mais prósperas e quais serão mais penosas. A vantagem? Assim podemos aproveitar com moderação o que vem em abundância e ter força para lidar com o que não é tão legal. Alguns de nós terão mais facilidade para atrair recursos financeiros, enquanto outros podem ter dificuldade de fertilidade. Nem todos serão beldades, mas há um talento aqui e acolá que você pode prazerosamente desenvolver.

Colocado este pano de fundo, as previsões delineiam a tendências para um período futuro em concordância com o mapa natal. Dito de outro modo, a previsão anual nem sempre fala do tópico que você deseja, mas antes do que mais tende em razão do prometido pelo mapa natal para acontecer naquele período.

Se o ano promete um casamento, não brigue com o astrólogo porque ele não disse que o ano financeiro será incrível. Pode ser que tudo indica que nada melhora ou piora importantemente nesse quesito. Já tive descontentes que não curtiram ouvir “este é um ano bom para parar de fumar”.  É nessas horas que tanto a paciência dos astrólogo e a temperança do cliente são dolorosamente testadas!

Por fim, há astrologia horária. Sempre brinco que, na dúvida, uma horária resolve. Por quê? A maior parte das pessoas – e creio que a natureza humana muito pouco mudou desde a antiguidade – angustia-se com questões pontuais e encuca com cenários futuros fictícios. Assim sendo, a astrologia horária responde cirurgicamente a uma questão específica.

Não se engane: horárias também exigem virtude. Até mais, creio eu, porque é imperativa e concreta. Se a pergunta é “devo insistir em reatar com a Mariazinha?” um não enfático pode ser libertador. Deixa claro que é o momento de largar de mão, botar ponto final no passado e seguir em frente. Ao ter suspeita de que há infidelidade a pergunta “nosso casamento continua?” pode revelar um sim mas ressaltar problemas (que geralmente o consulente já pressente). Quem sabe este é o estopim para repensar se a relação vale a pena mesmo?

Por fim, eu digo que astrologia é para adultos. Ela não precisa ser dramática ou derrotista, nunca. Mas, ao longo dos séculos – 3 milênios na verdade – ela vem representando a trajetória humana nas suas glórias e fraquezas. Ela nos presenteia com sabedoria divina, exigindo que façamos nossa parte também.