NOMIA: O Sol

De todos os astros, este não passa despercebido! O Sol nos dá luz, calor e a vida na Terra seria impossível sem ele. Do ponto de vista astronômico, o Sol é mesmo…. fogo!

O Sol é formado basicamente de Hidrogênio e Hélio, sendo que a gravidade mantém os átomos todos juntos. Se você lembra das aulas de Física do colégio, vai recordar que os átomos de hidrogênio transformam-se em átomos de hélio numa reação chamada fusão nuclear! As cores que os equipamentos vêem são decorrência direta das diferentes intensidades de radiação. O calor produzido no processo é imenso, cerca de 6.100 graus Celsius.

Desde que o tempo é tempo, os seres humanos maravilham-se com a grandeza e aparente onipotência do astro Rei. Todas as culturas já tiverem um Deus Sol. Porém, o filosofo grego Anaxágoras (cerca de 500 e 428 a.C.) chegou a conclusão de que o Sol não era um ser vivo propriamente dito, mas uma “rocha incandescente” que ficaria “sobre” a Lua. Assim, este importante e muitas vezes esquecido pensador antigo desenvolveu uma impressionante teoria para prever eclipses!

Os cientistas de hoje estimam que nosso astro Rei tenha cerca de 4.6 bilhões de anos. Ainda que apresente uma estrutura gasosa, sabemos que pode levar um milhão de anos ou mais para que a energia criada no núcleo solar faça seu caminho em direção a superfície e, dalí, seja irradiada para o espaço.

De fato, os antigos viam o Cosmos como algo vivo e, de certo modo, o Sol tem uma “vida”. Os astrônomos de hoje estimam que o Sol vá “morrer”. Já que nosso astro Rei não tem massa suficiente para explodir como uma supernova, por volta de 5 a 7 bilhões de anos, ele entrará numa fase chamada de gigante vermelha. Nada será o mesmo depois. As opiniões parecem se dividir a respeito, mas tudo leva a crer que antes de sua “morte”, o Sol engolirá a Terra por meio de um tipo de atração gravitacional. Pois é, o Sol é fogo!

Quer dar mais uma espiadinha nele? Passeie no site do SOHO um projeto de observação solar da ESA e da NASA.